18 de fev de 2014

Pensamentos Alheios: Como conheci One Piece


Meus queridos, tá difícil de pensar em novos textos para as colunas, mas dessa vez pensei em falar de mim, a minha vida com One Piece. Muita gente me pergunta isso ainda hoje. Então hoje é dia de entrar em detalhes!


Não sei se sou alguma exceção à regra, ou se minha história com OP difere muito de outros fãs. O fato é: os fãs antigos são minoria hoje em dia. Calma, calma. O que quero dizer é que OP bombou muito por conta de fillers enormes em Naruto e Bleach, onde os fãs não aguentavam mais e resolveram ver outra coisa. Ou até mesmo porque os fãs dessas séries meio que ficaram entediados e decidiram dar uma chance para One Piece.

Não foi simplesmente porque passou no SBT ou porque a Conrad lançava o mangá lá pelo ano de 2006/2007 (já com certa instabilidade na periodicidade da obra). Claro que isso ajudou de alguma forma sim, é até relativamente normal ver fãs que começaram a ver no SBT e resolveu caçar a história pela net depois. Mas a maioria dos fãs de One Piece tem como base fãs de Bleach e Naruto (hoje também é normal ver fãs de HxH também serem fãs de One Piece). Claro que atualmente toda essa galera procura outras obras para ler e evoluem seu histórico de leituras.
Mas eu me encaixo no caso de fãs “antigos”, pelo menos aqui no Brasil. Para conhecer One Piece antes da época que ele foi lançado aqui pela primeira vez (2002), tinha que manjar bastante da internet e baixar alguma scan ou o animê (na época só me recordo do iRC/mIRC, e nem sei se em 2002 eles funcionavam bem). Ou então achar FITAS CASSETE, sim, na época era isso ainda, dos primeiros epis da série. A última maneira era saber japonês e ler direto do original.

No caso do Nihill mesmo, ele tinha um amigo que lia do japonês e explicava as paradas para ele. Ou seja, eles são os fãs mais “raros” de se achar. Eu não sou fã antiga assim, até porque eu era muito pequena em 97, ano que OP estreou. Eu tinha apenas 5 anos essa época, e em 2000, que a internet era mais uma novidade, eu também nem tinha noção exatamente da função dela. Quando One Piece veio ao Brasil eu tinha 9 anos de idade, mal sabia como entrar numa internet discada (fui fazer downloads e ingressar na internet de forma decente lá com uns 14/15 anos), apesar de eu saber mais ou menos como navegar (caso meu irmão entrasse pra mim pelo discador do Ig).


Pois é...2002 foi o ano que conheci OP, não quando virei fã da série, porque eu podia muito bem ler e achar uma bosta, não é? HAHAHAHA. Mas enfim, na época eu já lia mangá com uma certa frequência, antes de OP creio que eu li CDZ e Sakura, mas OP veio num momento que TINHA muito mangá nas bancas, então foi meio que junto com todos da JBC também, como Rurouni Kenshin, Love Hina, Inu Yasha, Yu Yu Hakusho, Video Girl Ai e mais alguns por ae, é difícil lembrar a ordem dos títulos.

Eu não sabia nada de nada da história e era criança demais para ter uma crítica apurada para avaliar se era um mangá sensacional ou não. A única coisa que eu lembro era que eu ria muito com as piadas do Luffy e Usopp, mas que chorei na história do Sanji também, então eu já tinha certa noção que OP não era qualquer mangá. Lembrando que a Conrad trouxe o mangá em formato meio tanko, ou seja, metade das páginas do original. (então se OP terminasse no Japão na edição 25, aqui no Brasil seriam 50 volumes)

Na época, meu mangá favorito era Love Hina e Rurouni Kenshin, mas eu gostava muito de ler One Piece. Só que aconteceu algo meio chato na minha vida. Em meados de 2003, ou um pouco mais, tipo setembro, meu irmão ficou desempregado. É, tivemos que cortar quase todas as séries. Só lembro de ter continuado lendo Love Hina mesmo. De toda forma, ficamos mais ou menos 1 ano e meio sem ter One Piece em casa, um total de cerca de 18 edições. Tínhamos parado a história em Logue Town, quando Dragon aparece.

Eu reli muito o começo de OP por causa dessa paralisação lá em casa. Sentia falta de histórias legais na época, então como One Piece me divertia, eu ficava relendo sempre que podia, até que meu irmão arranjou emprego e foi voltando a comprar os mangás (não só OP, mas as outras coleções também). Em alguns meses ele conseguiu completar a saga toda de Alabasta.

Com isso, eu acabei lendo One Piece meio que em pacote, diretão! Quando estava acabando Alabasta, ele já vinha com mais mangás e do nada já estávamos na periodicidade da Conrad, saindo a edição mensal. E isso foi até a editora cancelar a obra no Brasil.


E foi isso o começo de tudo...depois de terminar Sky Piea, pirei na Robin e encontrei o animê pra baixar e dei seguimento. Em 2007 entrei na pP...e estamos ae, agora na Um Pedaço pra sempre.

Essa é minha história com One Piece, e a sua, como foi?
 
Copyright © 2014 Um Pedaço. Design por OddThemes