21 de out de 2013

Pensamentos Alheios: Romance em One Piece?


507797

Um dos maiores tabus da história de One Piece. Pelo menos em todo lugar que se discute isso, sempre tem gente que fala: romance estraga a história, jamais One Piece terá romance, próprio Oda já falou isso. 

Agora, será que não está na hora de falar um pouco sobre? Vamos aos pontos.

Primeiramente, não vão pensando que irei dizer que o romance é aquela coisa fofa que vemos em alguns outros shonens e shojos. Primeiro vou falar de mangás, não especificamente de One Piece, apenas para contextualizar meu texto e vocês conseguirem entender.

O início dessa discussão deve começar pensando na própria estrutura que o Oda fez para One Piece. One Piece é um shonen convencional, mais conhecido por nós como Shonen Battle. Um mangá de aventura, lutas, drama e comédia, ou seja, ele não é para ser romântico. Realmente, as inspirações do Oda são enormes, mas sabemos que ele tem sim uma grande admiração por Dragon Ball, então quando pensamos em romance em One Piece, o que vem à cabeça é algo bem assexuado e simples como DB foi. Mas lembremos que nem DB o romance foi totalmente descartado! 

46558

Certo, ainda temos os shonens mais recentes. Atualmente está normal fazer shonens um pouco mais genéricos nessa questão do romance, como por exemplo Beelzebub (até onde li, vulgo edição 9 da Panini não há nada de romance, só porrada e comédia), Toriko, HxH (ainda estou lendo, então não sei ao certo, mas parece não ter nada) e talvez Bleach entre nessa área genérica, ou seja, o romance não é trabalhado, o máximo que acontece são pequenas insinuações que fazem fãs ficarem pensando e formando casais, mas não é uma característica que complementa e que se desenvolve na história.

Mas a maioria dos shonens battle têm romance envolvido, e bem trabalhado, por sinal. Rurouni Kenshin, Nura, Fairy Tail, Yu Yu Hakusho, Blue Exorcist, D. Gray-man, Fullmetal Alchemist etc. Ainda temos Naruto e Claymore que está numa fina linha de demonstrar o romance de maneira bem simples, com uma ou outra cena falando de um sentimento mais "forte". Aos leitores desses mangás, eles sabem que isso realmente existe nas histórias, e também não é um fator que piora as obras. 

Isso só estou falando de shonen battle, nem estou colocando shonens alternativos como Bakuman ou Beck, e nem shonens românticos como Ranma, Video Girl Ai, I's, Love Hina etc. E ainda há mais ramificações de shonens com essa pegada de calsalzinhos e tal (sim, não lembro de todos os gêneros do shonen xD). Enfim, sintetizando, esses estilos que acabei de falar permitem ainda mais a entrada do romance, pois estamos falando de estilos de mangá que precisam ter mais atrativos do que a simples vida cotidiana, por isso há comédia, há um toque de fantasia (ou magia), e o romance, o sentimento. 

HOHOHOHOHO

Portanto, no mundo dos mangás shonens é absolutamente normal haver romance, seja ele de forma simples ou complexa. No momento que há demonstração de algum sentimento, já podemos considerar que há algum romance envolvido. Não entendam que romance existe quando há relacionamento estável ou beijos, galera, e sim que existe o sentimento presente. Um rubor, uma vergonha, um risinho, uma mão dada. Tudo isso pode representar a presença do romance num mangá shonen, afinal, se houvesse tanto romance assim, problemas da vida, e melosidade para todo lado, estaria mais para um mangá shojo do que shonen =) /mas sempre há exceções! 

O fato de haver romance em nenhum momento estraga as histórias de todos os mangás que eu listei para vocês. Na verdade, é o oposto, ele representa um fator muito bacana, deixa a coisa mais sentimental, mais convincente. Em alguns shonens ele só é um fator de complemento, mas os próprios shonens românticos têm a premissa de levar o jovem japonês (normalmente loser e sem atrativos hahah) a algum tipo de relacionamento com uma garota, logo, o romance é a parte central da trama, onde envolvem questões como dúvidas e escolhas do protagonista para que ele siga em frente e seja feliz. /nem estou colocando em questão o fanservice dos shonens românticos, ok? hahaha isso é outro debate.

One Piece 22

A ausência de um romance prejudica então? Não, isso depende de como você quer levar uma história e o Oda procura não colocar nada disso, é tão assexuado e genérico quanto CDZ, DB e atualmente, Beel, Toriko. Para mim não há certo e errado, somente preferências de autor. E o fato é que o Oda suaviza muito o romance em seu mangá, mas não achem que ele apagou qualquer vestígio dele! 

Mais uma coisa que devemos pensar: vemos no bando um sentimento de amizade e respeito, não há vontade carnal, nem aquela admiração do coração bater forte, não há sequer indício algum de que um mugiwara gosta de outro. Isso em comparação com todos os outros shonens battles que eu já li. Toda vez que um autor desse tipo de mangá quer demonstrar um romance, ele dá pista, ele coloca sim algum tipo de declaração, vergonha, vermelhidão....algo nesse sentido. No bando do Luffy isso não existe. 

Inclusive, em uma SBS o Oda responde que todos os mugis são apaixonados pelo mar, isso quando li pela Conrad, na edição 67 da era meio tanko. Mas a Opex traduziu de outra forma, vocês podem acessar a resposta do Oda clicando aqui. Fica então a critério de vocês no que acreditar. 

Agora vamos ao ponto que é o grande tabu. O romance em One Piece atrapalharia? Na minha opinião, se ele tivesse sido trabalhado desde o começo da história, não, não atrapalharia. Hoje, depois de 16 anos, o Oda teria mais dificuldade de fazer o romance ser convincente dentro do bando, por isso, fãs de One Piece, não achem mesmo que um mugiwara ficará com outro do bando. E por que digo isso? Pois o Oda nunca trabalhou o lado do romance dentro do bando. Isso só fica em nossos sonhos porque nunca irá acontecer na história.

Sanji e NamiEntão, isso não vai acontecer, beijos

E de fato, duvido que eu queime a língua. O trabalho do romance num mangá é feito aos poucos, e se o Oda fizesse os casais do nada, não estaria convincente exatamente por mostrar durante mais de 15 anos o sentimento do companheirismo, da amizade, do respeito. Eles se consideram um bando, não há vergonha, não há rubor, não há nenhum indício de que alguém gosta de alguém. É como se fossem irmãos unidos. Logo, se não há essa construção, não há romance convincente.

Lembrando que até mesmo em Dragon Ball, a Titi já havia sido colocada ali há tempos e justamente já insinuando que ela seria a mulher do Goku, então, até mesmo em DB esse romance foi trabalhado (de forma simples, mas foi), e OP não há isso em momento algum DENTRO do bando.

Mas temos um porém. O romance em One Piece é possível, mesmo que o Oda não trabalhe isso direito. Em nenhum momento o Oda descartou um romance fora do bando. Temos o exemplo da Kaya, que deixa bem claro que só tem olhos para o Usopp. Da Boa Hancock, que ama o Luffy. Vimos que o Roger não foi solitário, assim como percebemos em Punk Hazard que a Tashigi sente algo a mais do que uma simples admiração por Smoker. Temos também a história de Hogback com a Cindry, onde ele foi rejeitado, mas era possessivo a ponto de torná-la um zumbi e servi-lo. 

No fim, Mesmo que One Piece não tenha o trabalho do romance como na história de Fairy Tail, por exemplo, ele existe em sua ínfima dimensão. Dispensá-lo achando que isso piora a história, seria burrice.

Inclusive, o Oda pode trabalhar o time skip com alguns personagens como Zoro e Robin. Perona e Dragon estão aí para dar oi. Sem contar que o Oda a qualquer momento pode também utilizar os supernovas. Alguém já pensou nisso?

1185049_513044802113487_1392952320_nSonho *o*
Para finalizar, não pensem que o romance que estou dizendo é algo profundo, não é, a construção desse romance por fora do bando é bem simples e fácil de fazer, assim como foi feito com Goku e Titi, Gohan e Videl. Logo, não descartem o romance e nem achem que seria tolo o Oda colocá-lo. Muitos shonens possuem romance, de todo estilo, jeito e construção, achar que ele é inútil é cuspir pro alto para cair na cabeça. No entanto, se o Oda nunca colocar essa construção, tudo bem, One Piece vai muito bem sem ele, porque o Oda escolheu uma forma de construção onde o romance não se faz tão necessário, apesar de as vezes parecer incoerente.

E por que incoerente? Estamos falando de pessoas com idades chave para um relacionamento. Tirando o Luffy que é bobão, o Chopper e o Brook, todos os outros estariam aptos a ter um relacionamento, pela idade, pela história dos personagens. Todos são sérios, inteligentes, e agem como pessoas mesmo, não há motivo para não gostarem de alguém. Só que o Oda cai no dilema que seu mangá não é para adultos e sim para jovens e crianças, logo, se ele fizer o Franky como um homem normal, ele teria que trabalhar um romance bem diferente, assim como no caso da Robin, distorcendo o seu próprio ideal de como fazer um shonen. 

"Uai, tá confuso, Paloma!" 

É simples, quanto mais maduro o personagem for, o romance também fica mais maduro (o que também é questionável haha), porém o Oda não pode demonstrar tanto essa maturidade em um shonen BATTLE! Não é o estilo do mangá, portanto...É natural nos depararmos com esse tipo de situação, onde personagens que deveriam demonstrar afeto e desejo por alguém, não mostram por impedimento do próprio gênero da obra. Ou se mostram, é de maneira BEMMMM mais leve. Exemplo? Kyros e Scarlet nessa saga de Dressrosa. 

Que lindo, caraaaaaa!
Porém como esse defeitinho não é algo que influencia na história, o jeito é seguir em frente, absorvendo aquilo que dá. Agora, que One Piece possui romance, ele possui, só é um romance genérico, leve demais e definitivamente não é um fator de extrema importância para o roteiro. 

Então é isso, espero que tenham gostado da minha visão sobre o assunto e 
até mais o/

.
 
Copyright © 2014 Um Pedaço. Design por OddThemes